Scroll Top

 Gostou do nosso conteúdo? Cadastre seu e-mail e seja informado (a) sobre novas publicações e tenha acesso a conteúdo exclusivo.

Bíblia de Estudo Online

1 Coríntios 15 Estudo: A Importância da Ressurreição

1 Coríntios 15 Estudo: A Importância da Ressurreição

Em 1 Coríntios 15, Paulo fala sobre as evidências da ressurreição de Jesus Cristo. Ele apresenta as inúmeras testemunhas desse grande evento e argumenta sobre a sua importância para o cristianismo.

Ele dá testemunho sobre a sua convicção e de alguns dos desafios que enfrentou enquanto pregava o Evangelho.

Sua motivação para isso, é que a exemplo da ressurreição de Jesus Cristo, nós semeamos no corpo natural para em seguida colhermos um corpo espiritual incorruptível.

Paulo encerra, falando sobre a iminente volta de Jesus. Tudo ocorrerá num piscar de olhos, ao soar da trombeta e então veremos o Senhor face a face (Ver 1 Coríntios 14 Estudo).

1 Coríntios 15.1 – 8: Evidências da morte e ressurreição de Jesus Cristo

1 Irmãos, quero lembrar-lhes o evangelho que lhes preguei, o qual vocês receberam e no qual estão firmes.

2 Por meio deste evangelho vocês são salvos, desde que se apeguem firmemente à palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês têm crido em vão.

3 Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras,

4 foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, segundo as Escrituras,

5 e apareceu a Pedro e depois aos Doze.

6 Depois disso apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez, a maioria dos quais ainda vive, embora alguns já tenham adormecido.

7 Depois apareceu a Tiago e, então, a todos os apóstolos;

8 depois destes apareceu também a mim, como a um que nasceu fora de tempo.

1 Coríntios 15.9 – 17: A ressurreição de Jesus Cristo

9 Pois sou o menor dos apóstolos e nem sequer mereço ser chamado apóstolo, porque persegui a igreja de Deus.

10 Mas, pela graça de Deus, sou o que sou, e sua graça para comigo não foi inútil; antes, trabalhei mais do que todos eles; contudo, não eu, mas a graça de Deus comigo.

11 Portanto, quer tenha sido eu, quer tenham sido eles, é isto que pregamos, e é isto que vocês creram.

12 Ora, se está sendo pregado que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como alguns de vocês estão dizendo que não existe ressurreição dos mortos?

13 Se não há ressurreição dos mortos, nem Cristo ressuscitou;

14 e, se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como também é inútil a fé que vocês têm.

15 Mais que isso, seremos considerados falsas testemunhas de Deus, pois contra ele testemunhamos que ressuscitou a Cristo dentre os mortos. Mas se de fato os mortos não ressuscitam, ele também não ressuscitou a Cristo.

16 Pois, se os mortos não ressuscitam, nem mesmo Cristo ressuscitou.

17 E, se Cristo não ressuscitou, inútil é a fé que vocês têm, e ainda estão em seus pecados.

1 Coríntios 15.18 – 29: Em Jesus Cristo todos são vivificados

18 Neste caso, também os que dormiram em Cristo estão perdidos.

19 Se é somente para esta vida que temos esperança em Cristo, somos, de todos os homens, os mais dignos de compaixão.

20 Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dentre aqueles que dormiram.

21 Visto que a morte veio por meio de um só homem, também a ressurreição dos mortos veio por meio de um só homem.

22 Pois da mesma forma como em Adão todos morrem, em Cristo todos serão vivificados.

23 Mas cada um por sua vez: Cristo, o primeiro; depois, quando ele vier, os que lhe pertencem.

24 Então virá o fim, quando ele entregar o Reino a Deus, o Pai, depois de ter destruído todo domínio, autoridade e poder.

25 Pois é necessário que ele reine até que todos os seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés.

26 O último inimigo a ser destruído é a morte.

27 Porque ele “tudo sujeitou debaixo de seus pés”. Ora, quando se diz que “tudo” lhe foi sujeito, fica claro que isso não inclui o próprio Deus, que tudo submeteu a Cristo.

28 Quando, porém, tudo lhe estiver sujeito, então o próprio Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, a fim de que Deus seja tudo em todos.

29 Se não há ressurreição, que farão aqueles que se batizam pelos mortos? Se absolutamente os mortos não ressuscitam, por que se batizam por eles?

1 Coríntios 15.30 – 34: A convicção de Paulo

30 Também nós, por que estamos nos expondo a perigos o tempo todo?

31 Todos os dias enfrento a morte, irmãos; isso digo pelo orgulho que tenho de vocês em Cristo Jesus, nosso Senhor.

32 Se foi por meras razões humanas que lutei com feras em Éfeso, que ganhei com isso? Se os mortos não ressuscitam, “comamos e bebamos, porque amanhã morreremos”.

33 Não se deixem enganar: “As más companhias corrompem os bons costumes”.

34 Como justos, recuperem o bom senso e parem de pecar; pois alguns há que não têm conhecimento de Deus; digo isso para vergonha de vocês.

1 Coríntios 15.35 – 49: O corpo natural e o corpo espiritual

35 Mas alguém pode perguntar: “Como ressuscitam os mortos? Com que espécie de corpo virão?”

36 Insensato! O que você semeia não nasce a não ser que morra.

37 Quando você semeia, não semeia o corpo que virá a ser, mas apenas uma simples semente, como de trigo ou de alguma outra coisa.

38 Mas Deus lhe dá um corpo, como determinou, e a cada espécie de semente dá seu corpo apropriado.

39 Nem toda carne é a mesma: os homens têm uma espécie de carne, os animais têm outra, as aves outra, e os peixes outra.

40 Há corpos celestes e há também corpos terrestres; mas o esplendor dos corpos celestes é um, e o dos corpos terrestres é outro.

41 Um é o esplendor do sol, outro o da lua, e outro o das estrelas; e as estrelas diferem em esplendor umas das outras.

42 Assim será com a ressurreição dos mortos. O corpo que é semeado é perecível e ressuscita imperecível;

43 é semeado em desonra e ressuscita em glória; é semeado em fraqueza e ressuscita em poder;

44 é semeado um corpo natural e ressuscita um corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual.

45 Assim está escrito: “O primeiro homem, Adão, tornou-se um ser vivente”; o último Adão, espírito vivificante.

46 Não foi o espiritual que veio antes, mas o natural; depois dele, o espiritual.

47 O primeiro homem era do pó da terra; o segundo homem, dos céus.

48 Os que são da terra são semelhantes ao homem terreno; os que são dos céus, ao homem celestial.

49 Assim como tivemos a imagem do homem terreno, teremos também a imagem do homem celestial.

1 Coríntios 15.50 – 58: O arrebatamento da Igreja

50 Irmãos, eu lhes declaro que carne e sangue não podem herdar o Reino de Deus, nem o que é perecível pode herdar o imperecível.

51 Eis que eu lhes digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados,

52 num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Pois a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados.

53 Pois é necessário que aquilo que é corruptível se revista de incorruptibilidade, e aquilo que é mortal, se revista de imortalidade.

54 Quando, porém, o que é corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal, de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: “A morte foi destruída pela vitória”.

55 “Onde está, ó morte, a sua vitória? Onde está, ó morte, o seu aguilhão?”

56 O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a Lei.

57 Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.

58 Portanto, meus amados irmãos, mantenham-se firmes, e que nada os abale. Sejam sempre dedicados à obra do Senhor, pois vocês sabem que, no Senhor, o trabalho de vocês não será inútil.

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, estudante de Teologia e Administração. Seu amor por Jesus o inspirou a fundar esse site.

Faça Parte da Nossa Comunidade!

Gostou do nosso conteúdo? Cadastre seu e-mail e seja informado sobre novas publicações.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.